ALPPS com uso de pneumoperitônio

Dr Marcel Autran Cesar Machado, Professor Livre-docente de Cirurgia da USP e médico do Hospital Sírio Libanês, publica trabalho onde mostra técnica de ALPPS com pneumoperitônio

ALPPS procedure with the use of pneumoperitoneum.

Machado MA, Makdissi FF,Surjan RC
Ann Surg Oncol 2013;20(5):1491-3

Clique aqui para baixar o pdf (162Kb) ALPPS-with-pneumoperitoneum

Clique para ver o vídeo desta cirurgia  https://www.youtube.com/watch?v=2JQS_Ri-sQs

Resumo em português:

Um novo método para a hipertrofia do fígado foi recentemente introduzido, o chamado partição do  fígado com ligadura da veia porta para o procedimento de hepatectomia em dois tempos (ALPPS). Apresenta-se um vídeo de um procedimento ALPPS com a utilização do pneumoperitonio.
MÉTODOS:
 

Uma mulher de 29 anos com câncer de cólon e metástase hepática síncrona foi submetida a uma ressecção hepática em duas fases pela técnica ALPPS por causa de uma  futuro remanescente do fígado extremamente pequeno.
RESULTADOS:
 

A primeira operação começou com 30 min pneumoperitônio. ressecção anatômica do segmento 2 foi realizado, seguido por vários enucleações no fígado esquerdo. A veia porta direita foi ligado e o fígado dividido. A cavidade abdominal foi parcialmente fechado, e um trocarte de 10 mm foi deixado para criar um pneumoperitoneu durante 30 minutos adicionais. O paciente teve um volume remanescente de fígado futuro adequado após 7 dias, mas ela não estava clinicamente apta para a segunda fase da terapia, por isso, foi adiada. Ela recebeu alta no dia 7 após a cirurgia. A segunda etapa ocorreu 3 semanas mais tarde e consistia em uma casa de bloco direito trisegmentectomia ampliada para o segmento 1. O paciente se recuperou e recebeu alta hospitalar 9 dias após a cirurgia de segundo estágio.  tomografia computadorizada Pós-operatória revelou um fígado remanescente alargada.
CONCLUSÕES:
 

O procedimento ALPPS é uma nova técnica revolucionária que permite a ressecção R0 mesmo em pacientes com metástase hepática maciça. O uso de pneumoperitonio durante a primeira fase é uma ferramenta simples que pode prevenir adesões duras, permitindo uma segunda fase mais fácil. Este vídeo pode ajudar cirurgiões oncológicos para executar e padronizar esse procedimento desafiador.

Resumo em inglês:

BACKGROUND:

A new method for liver hypertrophy was recently introduced, the so-called associating liver partition and portal vein ligation for staged hepatectomy (ALPPS) procedure. We present a video of an ALPPS procedure with the use of pneumoperitoneum.

METHODS:

A 29-year-old woman with colon cancer and synchronous liver metastasis underwent a two-stage liver resection by the ALPPS technique because of an extremely small future liver remnant.

RESULTS:

The first operation began with 30 min pneumoperitoneum. Anatomical resection of segment 2 was performed, followed by multiple enucleations on the left liver. The right portal vein was ligated and the liver partitioned. The abdominal cavity was partially closed, and a 10 mm trocar was left to create a pneumoperitoneum for additional 30 min. The patient had an adequate future liver remnant volume after 7 days, but she was not clinically fit for the second stage of therapy, so it was postponed. She was discharged on day 7 after surgery. The second stage took place 3 weeks later and consisted of an en-bloc right trisectionectomy extended to segment 1. The patient recovered and was discharged 9 days after second-stage surgery. Postoperative CT scan revealed an enlarged remnant liver.

CONCLUSIONS:

The ALPPS procedure is a new revolutionary technique that permits R0 resection even in patients with massive liver metastasis. The use of pneumoperitoneum during the first stage is an easy tool that may prevent hard adhesions, allowing an easier second stage. This video may help oncological surgeons to perform and standardize this challenging procedure.



%d blogueiros gostam disto: